3 de julho de 2019
Compartilhe:

Polypodium leucotonos auxilia no tratamento do mal de Alzheimer

O mal de Alzheimer (DA) é uma doença neurodegenerativa que se manifesta em aproximadamente 46 milhões de pessoas no mundo. No Brasil, segundo dados do Ministério da Saúde, 11,5% da população idosa com 65 anos ou mais se encontram em algum estágio da doença. Sua principal característica é a perda cognitiva e de memória, que acaba comprometendo de forma progressiva o dia a dia do indivíduo.

polypodium-alzheimer-destaque-mini-2

De maneira geral, o Alzheimer se instala quando o processamento de determinadas proteínas no sistema nervoso central começam a não funcionar corretamente. A partir daí, surgem fragmentos de proteínas mal cortadas e tóxicas dentro dos neurônios, o que ocasiona a perda progressiva dessas estruturas em regiões do cérebro, como o hipocampo, responsável por controlar a memória, e o córtex cerebral, que atua essencialmente na linguagem, raciocínio, memória e reconhecimento de estímulos sensoriais e é responsável pelo pensamento abstrato.

Com essa atrofia no cérebro, a pessoa começa a ter mudanças comportamentais e falhas cognitivas na memória até o ponto em que não mais realiza atividades complexas que aprendeu e desenvolveu ao longo da vida.

Qual o tratamento para a doença de Alzheimer

No Brasil, o tratamento para doenças cerebrais que levam à demência são realizados pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Os centros de referência oferecem tratamento multidisciplinar de forma integral e gratuita aos pacientes com esse tipo de doença mental, além de disponibilizar medicamentos que ajudam a retardar os sintomas.

Ao procurar o SUS, os familiares têm à sua disposição cuidadores, enfermeiras e outros profissionais que irão auxiliar no diagnóstico, medicação e monitoramento da doença. Para tanto, são realizados exames de ressonância, tomografias e análise clínica para verificar o estágio de demência em que a pessoa se encontra.

Uso de Polypodium leucotomos para doenças mentais

Um dos medicamentos auxiliares no tratamento e alívio dos sintomas do Alzheimer é o Polypodium leucotomos, uma planta que possui propriedades antioxidantes e fotoprotetoras. Estudos feitos para verificar os efeitos do Polypodium, avaliar o uso de duas doses de anapsos em relação ao placebo referente a performance cognitiva, o padrão de atividades bioelétricas do cérebro e os parâmetros hemodinâmicos cerebrais em pacientes com algum tipo de demência e mal de Alzheimer.

Ao todo foram selecionados 45 pacientes para este estudo, com idade entre 73 e 76 anos. Durante 4 semanas, eles receberiam o tratamento com doses variadas de Polypodium leucotomos e do placebo. A divisão seguiu o seguinte parâmetro:

  • Grupo 1: extrato de Polypodium leucotomos 720 mg/d;
  • Grupo 2: extrato de Polypodium leucotomos 360 mg/d;
  • Grupo 3: placebo.

Ao final do estudo, os pacientes que receberam as doses de 360 mg/d do extrato apresentaram melhora significativa da performance cognitiva após o tratamento, o que não foi observado nos pacientes tratados com as doses de 720 mg/d e o placebo. O principal fator apontado para essa melhora é que o Polypodium leucotomos promove um aumento da velocidade do fluxo sanguíneo cerebral nos pacientes com Alzheimer.

O Ministério da Saúde aponta que quanto mais estímulos cerebrais forem proporcionados nesse tipo de doença mental, maior serão as conexões criadas entre as células nervosas, os neurônios.

polypodium-leucotomos-360mg-auxiliar-tratamento-mal-de-alzheimer

Dessa forma, o uso contínuo de Polypodium leucotomos ajuda na recuperação e estimulação cerebral, contornando lesões que possam ocorrer e diminuindo o aparecimento dos sintomas.

Se ao consultar seu médico houver a indicação do Polypodium leucotonos como auxiliar no tratamento, acesse nosso site e conheça as vantagens de comprar com a Dermo Manipulações.

 

Deixe seu Comentário
Deixe seu Comentário

18 − 17 =

Receba em primeira mão dicas de saúde da Dermo Manipulações.